top of page
Buscar
  • Foto do escritorRenata Lasso

Engajamento gera lucro?

Quando falamos em engajamento nas organizações, logo pensamos no funcionário comprometido, que ama o que faz e busca sempre dar o seu melhor em tudo que se propõe a fazer, são os worklovers. Vamos entender mais os níveis de engajamento nas organizações.


O estudo de engajamento de funcionários da Gallup em 155 países, apresentado no relatório State of the Global Workplace contém notícias relativamente boas para o Brasil. Entre brasileiros que trabalham para um empregador, 27% são engajados, ou altamente produtivos e comprometidos em prover valor para suas empresas. Enquanto 12% são ativamente desengajados e susceptíveis a espalhar negatividade a respeito de sua organização entre colegas de trabalho.


Entretanto, há pleno espaço para melhorias; a maior parte dos trabalhadores brasileiros está "não engajada", com falta de motivação e simplesmente "levando a vida" durante a jornada de trabalho. No entanto, a razão entre trabalhadores engajados e ativamente desengajados do Brasil - 2.25 para 1 - é uma das mais favoráveis entre os 20 países da américa latina estudados.


Com base nas pesquisas podemos afirmar o conceito dos 70/30/10 onde apenas 30% dos funcionários são altamente produtivos e engajados. Se compararmos a produtividade do brasileiro com os países de primeiro mundo temos o seguinte cenário, o que um brasileiro produz em 1 hora o americano faz em 15 minutos, esses são dados do Conference Board, organização americana que reúne pesquisadores e cerca de 1.200 empresas públicas e privadas de 60 países. A pesquisa é feita na relação entre o PIB do país e o total de empregados, onde a comparação entre os países é medida pela produtividade per capita de cada país.


Claro que não podemos considerar apenas a produtividade pessoal, outros fatores como tecnologia, educação e as condições do trabalho influenciam diretamente nesta proporção. O que observamos diante deste cenário é que uma grande maioria de pessoas estão desengajadas com a própria vida, estão infelizes em suas carreiras ou mesmo vida e não possuem uma perspectiva de melhoria para saírem daquela condição.

Conforme a pesquisa correlata da ATD, o investimento anual de T&D das empresas

americanas por colaborador foi de 1.302 dólares em 2019, em comparação às brasileiras, que foi de 997,00 reais, o que já é baixo mesmo desconsiderando a taxa cambial. Isso reflete no volume de horas de treinamento realizadas por colaborador, sendo 19 horas para as empresas no Brasil e 36 para as empresas nos EUA (90% maior). (PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL, 2021).

Nos EUA o investimento em T&D é aproximadamente 1,42% sobre o faturamento anual das organizações.


Diante deste cenário observamos que temos uma grande oportunidade de crescimento. Investir em desenvolvimento humano, tecnologias, educação, a nossa produtividade e competitividade tendem a aumentar significativamente.


Qual a diferença em investir em T&D e Coaching?


De acordo com um estudo divulgado no Public Personal Management Journal, executivos que participaram de treinamentos gerenciais elevaram em 22,4% sua produtividade, enquanto, os executivos que passaram pelo processo de coaching, após o mesmo treinamento, aumentaram em 88% sua produtividade.


Uma pesquisa recente da PUC-Campinas mostrou que 90% dos executivos que se submeteram ao processo de coaching aumentaram a produtividade. O estudo aponta ainda que 70% evoluíram positivamente na capacidade de relacionar-se e 80% melhoraram em relação à prontidão para mudanças. A pesquisa foi realizada com base nos dados do relato de dez profissionais de oito diferentes empresas.

Para isso, o coaching atua como peça principal no processo de desenvolvimento.


O coaching trabalha habilidades fundamentais e estratégias que elevam de forma considerável a produtividade, melhoram a gestão do tempo, o planejamento, o foco, a pro atividade, entre outros benefícios. O processo contribui com o desenvolvimento de competências fundamentais, reduzindo o tempo de cada atividade, ampliando a visão do indivíduo com relação e às suas prioridades através de sessões e técnicas cientificamente comprovadas, com isso gerando resultados significativos em um curto espaço de tempo para o indivíduo e para as organizações, é uma via de mão dupla, todos ganham.


A falta de engajamento nas organizações não diz respeito apenas ao trabalho, e sim na grande maioria, com uma insatisfação geral com a própria vida. A falta de objetivos pessoais e profissionais, sentimento de frustração e impossibilidade, faz com que muitos desistam dos seus sonhos, gerando uma baixa produtividade. Como mudar tudo isso é um dos grandes questionamentos e desafios dos profissionais de RH.


O cenário atual exige um olhar criterioso sobre os investimentos, é preciso identificar as reais necessidades da empresa, otimizar recursos e buscar soluções criativas e eficazes. Não investir em educação e treinamento não é opção, é uma necessidade constante.


Sabemos que os custos com funcionários nas organizações são um dos mais altos, representam em média 40% a 50% das despesas organizacionais. Agora qual é o custo em não ter profissionais engajados e felizes?

As consequências todos nós sabemos, são os resultados que não chegam, ocorrem retrabalhos, alta rotatividade, prejuízos, entre outras coisas. O custo em ter um profissional com média ou baixa performance é muito mais alto.




Precisamos desenvolver as habilidades criativas nas organizações para que a competitividade aumente. Agora onde existe estresse, tensão e emoções negativas a criatividade do indivíduo se torna retraída. A pressão nunca é externa e sim interna, pois está diretamente relacionada as nossas interpretações.


O processo de coaching é capaz de despertar competências fundamentais para promover o engajamento, produtividade e o florescimento do profissional como um todo. A melhoria ocorre em todos os pilares essenciais da vida.


O que podemos fazer por você?


Renata Lasso – Executive e Business Coach

18 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page